Estado rompe contratos e obras da Linha 4 do Metrô são paralisadas

A gestão Geraldo Alckmin (PSDB) decidiu romper de vez os contratos com as empreiteiras que estão construindo as quatro estações finais da Linha 4-Amarela do Metrô de São Paulo. A decisão foi divulgada na manhã desta quinta-feira, 30, em consenso com o Banco Interamericano de Reconstrução e Desenvolvimento (BIRD), que financiava a empreitada. A obra, agora totalmente paralisada, terá de passar por nova licitação para ser retomada, e não há mais prazo para conclusão da linha, cujas obras começaram em 2004.

Os trabalhos vêm se arrastando desde que o consórcio formado pelas empresas Isolux, Corsán e Corviam, todas envolvidas no escândalo da Operação Lava Jato, apresentaram dificuldades financeiras para a execução dos projetos. A obra chegou a ficar parada entre novembro do ano passado e fevereiro, período em que o governador Alckmin chegou a sugerir a paralisação dos serviços. O BIRD, entretanto, optou por ampliar as linhas de financiamento paras as empresas e chegou a assinar um contrato aditivo de mais R$ 20,4 milhões para as empresas.

Consórcio diz que há 'condições favoráveis' para normalizar obras da Linha 4 do Metrô: Obras na futura Estação São Paulo-Morumbi© Fornecido por Estadão Obras na futura Estação São Paulo-Morumbi

Tratava-se do segundo acréscimo de valor ao contrato assinado em 2012, que saltava de R$ 172,9 milhões para R$ 212,3 milhões. Em março do ano passado, quando o trecho da linha deveria ter sido entregue, o Metrô já havia desembolsado mais R$ 18,9 milhões para o consórcio espanhol.

Agora, o Metrô afirma que que vai aplicar as multas previstas em contrato às empresas, que chegam a R$ 23 milhões. “O consórcio Corsan-Corviam foi notificado por não cumprir o escopo dos contratos assinados em 2012 nos prazos estabelecidos, desistência da execução contratual (abandono da obra) , não atendimento das normas de qualidade, segurança do trabalho e meio ambiente, ausência de pagamento das subcontratadas e violação de várias cláusulas contratuais”, diz nota da empresa.

As empresas do consórcio também serão proibidas de participar de novas licitações do Metrô.

As estações paralisadas são Higienópolis/Mackenzie, Oscar Freire, São Paulo/Morumbi e Vila Sônia. Na última parada, havia ainda a construção de um terminal de ônibus.

Fonte: http://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil/estado-rompe-contratos-e-obras-da-linha-4-do-metro-paralisadas

About The Author

Related posts

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *